Coordenadas 1302

Fecha de subida 3 de enero de 2019

  • Valoración

     
  • Información

     
  • Fácil de seguir

     
  • Entorno

     
-
-
154 m
0 m
0
3,2
6,5
12,96 km

Vista 627 veces, descargada 38 veces

cerca de Foz do Arelho, Leiria (Portugal)

Num tão luminoso dia, como este, as 10 e meia já é hora tardia para iniciar e desfrutar deste soberbo lugar. Mas a geada, que da nossa janela víamos, foi retardando a hora de saída. Viatura estacionada num cantinho por cima da Praia do Mar: uma breve pausa para endireitar as costas e para saborear esta bela simbiose entre terra, mar e Lagoa e eis que iniciamos esta excelente caminhada.
Trocamos o desejo de um "Bom Dia" com alguns surfistas que, ali mesmo, vestem os fatos de neoprene. Pensando na "loucura de amor à arte" necessária para enfrentar o gélido oceano chegamos à escadaria de madeira que nos baixa até à Avenida do Mar. Ao longe as Máquinas abrem a Aberta porque o mar se tem esquecido de o fazer. Já nas cortes de Évora de 1460, D. Afonso V impunha aos povos dos povoados vizinhos a obrigação de participar nos trabalhos de abertura da Lagoa para que a drenagem permitisse a renovação da água. Outrora como hoje a Lagoa de Óbidos constituia-se como um importante património económico da região.
Turísticamente falando, estamos na mais bela e histórica zona húmida da costa oeste. Diz-se que por esta Lagoa, que na altura ainda o não era, entrou a armada de Júlio César para conquistar a fortificada Vila de Óbidos depois de frustradas todas as tentativas feitas por terra. Seria então uma bonita e longa enseada que trazia o mar a beijar a bela colina fortificada.
Diz-se também por aqui, a respeito das armas de Óbidos, que o Infante D. Afonso, filho de D. João II, morreu afogado nesta Lagoa quando a bateira, em que andava à caça dos patos, se virou. Não passa mesmo de uma lenda pois que, reza a história, o dito infante morreu na sequência de uma queda do cavalo quando passeava em Alfange, Santarém, gorando a legítima pretensão da lusa nação à coroa castelhana.
Esqueçamos a história e vamos lá!...Hoje a Lagoa está tão linda!... As águas nuas espelham um céu maravilhosamente azul transmitindo uma calma suave que embebeda o espírito e convida à meditação.
Abanamos a cabeça, esforçando-nos para deixar o passo de passeio matinal, e seguimos por esta bela marginal.
À nossa esquerda ergue-se o Monte do Facho e, na sua encosta, a grande pousada do Inatel naquele que foi, em tempos idos, o Palácio Grandella. Neste palácio, em abril de 2011, recolhia-se Afonso Costa para ultimar a redacção da Lei da Separação do Estado da Igreja. Em boa hora o fez. "A César o que é de César e a Deus o que é de Deus".
Francisco de Almeida Grandella, o criador da primeira grande superfície comercial em Portugal, passava aqui os seus dias de ócio, descanso e também de trabalho. Benfeitor da terra nela fez edificar uma escola primária que ofertou ao povo. Construiu também uma capela, em frente da qual passamos agora. No seu interior existe o retábulo do Santo Condestável que, para o povo português Santo era há centenas de anos antes que a igreja o confirmasse como tal.
O palácio foi adquirido pela FNAC em 1940 para nele instalar a Colónia de Férias Marechal Carmona. as obras de adaptação alteraram substancialmente a traça original.
Continuemos...
Passamos agora pelo Porto do Carro seguindo pelo passeio pedonal à beirinha da lagoa. As bateiras amarradas nem balançam, tal é a calmaria. Também já não é hora de faina porque não há nenhuma ao largo. Passámos o parque de caravanismo e ao fundo vislumbra-se já o Penedo Furado. Numa zona tão plana sobressai esta Rocha, com um furo há milénios erodido pelas águas do mar, parece que ali foi plantada. Não vamos junto dele porque, desde que em 2005 ruiu uma parte, se tornou perigosa qualquer aproximação. Este penedo de rocha sedimentar tem sido considerado monumento geológico ímpar porque é testemunha de uma história geológica desde a sua génese, no jurássico, passando pelo tempo da sua erosão quando a Lagoa era mar ainda, até aos dias de hoje em que se assiste à sua degradação acelerada. O LNEC foi chamado para intervencionar de modo a alongar o seu tempo de "vida". "A ver vamos!" diria o cego...
Deixamos a Rua do Penedo e subimos agora a Rua dos Reivais e depois a Rua da Torre. Esta encosta está pejada de grandes vivendas com uma paisagem espectacular. Que inveja!... Chegamos ao alto e atravessamos a rua entrando num caminho de terra pelo meio do pinhal. Seguimos a nossa intuição e daí a pouco estamos a passar junto do Parque de Campismo.da Orbitur. Atravessamos a N-360; seguimos por caminhos sem história que conheçamos ou se deem a conhecer; atravessamos a Variante atlântica; subimos por um caminho em terra; passamos por uma pedreira que apresenta as suas feridas cicatrizadas em escarpas que quase parecem falhas geológicas.
Um pouco acima, em terrenos baldios, damos de caras com uma lixeira incrível, não pela quantidade de lixo mas pela sua "qualidade" e origem: camionetas velhas, sofás apodrecidos, uma roulotte totalmente partida e outros trastes do género. Estes terrenos até são bonitos, porquê despejar aqui esta porcaria quando há espaços apropriados para o fazer?...
Continuamos serra acima por estes terrenos de vegetação rasteira e pasto apropriado para cabras e ovelhas. Avistamos um enorme rebanho passando ao longe. São imensos animais para um pastor só. Ovelhas à frente e cabras atrás. Vamos em direção ao ponto de onde apareceu o rebanho. Encontramo-nos com algumas cabras tresmalhadas que vão, pelo menos, com um quarto de hora de atraso relativamente ao resto do rebanho e, por isso, vão balindo desesperadas. Decerto se hão-se encontrar com o restante rebanho numa pastagem qualquer mais à frente. Cabras, nunca hão-de deixar de sê-lo. Andam no cabredo e depois ficam a balir para que as ajudem.
A vegetação continua a ser rasteira com algumas aroeiras formando um conjunto paisagístico de rara beleza. Descemos um vale e atravessamos uma ribeira por uma ponte artesanal de madeira, possivelmente colocada ali por pastores. À frente encontramos um campo de urzes brancas. Parece-me que estão demasiado adiantadas na floração mas a sua cor anima o verde destes campos.
Seguimos por caminho rural até à cumeeira da serra. Cruzamos a Estrada Atlântica e seguimos em direção à Quebrada da Mó. As gentes deram por aqui nome a cada falha no alcantilado costeiro: Quebrada da Ameijoada, Quebrada dos Covinhos, Quebrada da Menina, Quebrada da Mó,... A serra do Bouro está toda quebrada.
Chegamos à costa e extasiamos e sustemos a respiração perante esta paisagem!... qualquer tentativa que faça para ilustrar estes lugares não conseguem nem um pouquinho transmitir a beleza que nos mareja o olhar. Vinde ver. Vale mesmo a pena.
Calcurreamos um carreirinho que segue ao longo da falésia, feito por outros amantes das belas paisagens. Um pouco após, encontramos uma zona de erosão nas rochas moles desenhada por mão celeste. Quedamo-nos a apreciar. Decidimos almoçar bem perto deste maravilhhoso museu. Sentamos na rocha; tiramos os recipientes, onde uns ovos mexidos com cogumelos, cenouras e ervilhas libertam um agradável e apetitoso odor; destapa e coloco-o sobre os joelhos; algo me distrai e... catrapuz!... o recipente cai-me dos joelhos e fica virado, de fundo, para o ar e a comida toda na rocha arenosa à minha frente. É pena mas a minha espresão foi: «Não há-de ser isto que me tira o prazer desta bela caminhada!». A minha companheira, que já partilha comigo a grande caminhada da vida, partilhou o almoço dela. Chegou bem...
Seguimos pelos carreiros e curtos caminhos o desenho da costa bebendo o seu encanto.
Chegámos aos passadiços. Já conhecíamos. São curtos mas muito agradáveis. Quem vem a Foz de Arelho deve subir cá cima para apreciar esta beleza.
O resto não tem história. Descemos pela Av. Visconde de Morais até onde deixámos o carro e regressámos de alma cheia ainda que com o estômago semi vazio.
Esta obra foi vandalizada tendo alguém roubado os cornos (provavelmente pensou que eram os dele). Foi recuperada em 2010 pela escultora Filomena Almeida.
na confluência da Rua do Garejau com a Rua do Penedo Furado, que pouca gente sabe que afinal se chama Rua Engº Luís de Paiva e Sousa, existe esta formação
Por pouco a vegetação não cobre a ponte. Água não sei se existe. Será que a ribeira está seca?

1 comentario

  • Foto de Erik De Groot

    Erik De Groot 03-may-2019

    He realizado esta ruta  ver detalle

    A very nice track with a lot of variation. I think it shows all types of landscapes around Foz do Arelho.
    Especially the beautiful parts of nature and the walk along the ocean were very impressive.
    Thanks!

Si quieres, puedes o esta ruta